DIA DO PROFESSOR

É TEMPO DE RECONSTRUIR O OLHAR DO PROFESSOR E PARA O PROFESSOR

O RESGATE DA FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO PRECISA SER INICIADO NOS CENTROS DE FORMAÇÃO DOCENTE, DE FORMA SIGNIFICATIVA

Por Emília Cipriano e Claudio Castro Sanche

Professor, mestre, educador, SER que constrói em SI conhecimentos, experiências, metodologias, didáticas para se transformar em um missionário do ato de ensinar e de aprender, além de abrir portas para seres que cruzarão o seu caminho em busca de “luzes” para que possam realizar as suas próprias leituras de mundo.

O professor com suas experiências e vivências gera processos de desejos para as descobertas em um movimento de dentro para fora e de fora para dentro, despertando o que existe em toda pessoa aprendiz: o ser curioso, pesquisador, descobridor e conquistador; sensibiliza o aluno para os conhecimentos científicos, filosóficos, teológicos, culturais, artísticos e estéticos que são parte da vida presente e que serão parte do futuro de cada um.

A beleza do ser professor está na pessoa encantada que tem na sua escolha o sentimento de legado de uma vida profissional: nasci para ensinar.

Um professor que sabe ensinar, sabe acolher, sabe ouvir, sabe dialogar, sabe se relacionar, sabe respeitar e se fazer respeitado; um professor encantado com a profissão de professor encanta aprendizes para o sentindo e para o poder do conhecimento. 

Houve tempos em que os conhecimentos de mundo estavam na escola e o professor era aquele que aprendera cada um desses saberes para ensinar. Tinha-se admiração pelos seus conhecimentos, pelas suas lições de vida, pela sua moral, pela sua ética e pela sua capacidade de formar profissionais para as mais diferentes profissões.

Hoje o conhecimento está armazenado tecnologicamente nos mais diferentes espaços e disseminado livremente a quem interessar, mas é um conhecimento frio, estático, sem movimento e que carece muito de empatia. O professor, com processos de interação dialógica, de análise, reflexões e sínteses, construirá a compreensão do sentido sobre a beleza do aprender para saber e aprender a ser.

Os espaços de formação de professores eram como templos de construções de profissionais para a educação de gerações e gerações; os mestres responsáveis pela titularização de novos professores sabiam que a qualidade da formação estava intrinsecamente articulada com a possibilidade do aprendiz se construir como cidadão de mundo, com conhecimentos para fazer escolhas, portanto a formação do profissional professor deveria ser sólida. Hoje a formação de professores se faz até a distância, sem aulas práticas, sem reflexões, sem diálogos e sem os processos de interação tão significativos para quem pretende ser um profissional da educação. Consequências…?

“A AUTORREGULAÇÃO TEM SIDO FORTEMENTE RELACIONADA ÀS RESPOSTAS EMOCIONAIS, AO PLANEJAMENTO DE METAS DE MÉDIO E LONGO PRAZOS, AO CUMPRIMENTO DE TAREFAS RELEVANTES NO COTIDIANO, À SOCIABILIDADE, À EMPATIA, BEM COMO AOS DESEMPENHOS COGNITIVO E ACADÊMICO. TAMBÉM É CONSIDERADA O PRINCIPAL MEDIADOR ENTRE PREDISPOSIÇÕES GENÉTICAS, EXPERIÊNCIAS NA VIDA INFANTIL E FUNCIONALIDADE NA VIDA ADULTA”

O professor era um profissional respeitado pela família, pela sociedade e pelos governantes. Hoje carece muito de reconhecimento. 

O resgate da formação do profissional da educação precisa ser principiado nos centros de formação de professores, com gestão idônea, ética e voltada para qualidade, com cursos teóricos e práticos, com porcentagem de carga horária significativa para a vivência e experiência das práticas pedagógicas.

O resgate passa significativamente pelos formadores de professores comprometidos com a sociedade de aprendizes, com a família, com a sociedade e com os conhecimentos a serem trabalhados. Profissionais formadores éticos, atualizados, conhecedores de metodologias de ensino para o tempo presente, de didáticas dinâmicas e motivadoras, cooperativas e inter-relacionadas com as mídias interativas, com sistemas de avaliação pautados no aprender, no reaprender e na experiência concreta, com ações avaliativas práticas aplicadas in loco na escola.

O resgate deve passar também por uma política governamental que valorize a profissão do professor; pela família valorizando para si e para os filhos a escola e pela mídia formadora de opiniões, recuperando o olhar de importância da instituição escola e a função que ela respeitosamente deve exercer tanto no acolhimento dos profissionais que a compõem, quanto na formação de excelência de todos que a frequentam.

Professor, vamos resgatar o sentido e o valor da nossa profissão. Só na Educação Básica somos mais de 2,2 milhões de professores. Unidos seremos fortes, se organizados e uníssonos muito poderemos fazer pela nossa profissão e pelo futuro do Brasil que queremos construir.

Com orgulho celebremos a nobre profissão de professor! 15 de outubro, o nosso dia!

Afetivamente,

 

Prof.ª Emilia Cipriano e Prof. Claudio Castro Sanches